A ditadura do Estado Novo de Getúlio Vargas perseguiu o escritor que defendeu a exploração do petróleo pelo capital nacional. Visionário, o futuro se encarregou de ratificar suas ideias que tiveram “por consequência” a criação da Petrobrás